Ainda que eu falasse a língua dos homens…

A Grécia é um país com uma geografia única. Com uma área de 131 mil km2, equivale aproximadamente ao Estado do Ceará, que possui 148 mil km2. Mas se for considerada a extensão de seu litoral, a cena muda. A Grécia possui cerca de 15 mil km de costas, muito acima do litoral do Brasil como um todo, que tem 9 mil km de extensão.

Trata-se, assim, de um país recortado por ilhas e reentrâncias que lhe conferem um aspecto singular. Na parte continental, o território grego está dividido na extremidade sul dos Bálcãs e numa grande península chamada Peloponeso. Na realidade, o Peloponeso está hoje completamente separado do continente devido à construção do canal de Corinto, no final do Século XIX, o qual ligou o Mar Egeu ao Mar Jônico. Na entrada do Peloponeso se encontra a cidade de Corinto, localizada a 80 km de Atenas, com cerca de 150 mil habitantes. Os nascidos em Corinto são chamados de “coríntios”, donde surgiu o nome do Sport Club Corinthians Paulista.

Mas esse texto não é sobre futebol. É sobre uma passagem da Bíblia que relata a fala do Apóstolo Paulo aos coríntios, ao redor do ano 50 dC.

Paulo, nascido Saulo, foi um dos principais propagadores do Cristianismo. Seu status de cidadão romano lhe permitia andar livremente pelas províncias do Império, o que o fez divulgando os ideais cristãos. Dentre suas viagens missionárias, esteve Paulo em Corinto, onde lá permaneceu por quase dois anos. A Bíblia nos da fala da pregação de Paulo aos coríntios:

“Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, e não tivesse amor, seria como o metal que soa ou como o sino que tine. E ainda que tivesse o dom da profecia e conhecesse todos os mistérios e toda a ciência, e ainda que tivesse toda a fé, de maneira tal que transportasse os montes, e não tivesse amor, nada seria.”
(1 Coríntios 13:1-2)

Essa passagem bíblica, ao lado de trechos de Camões, é uma das inspirações de Renato Russo, ao compor a música Monte Castelo:

“Ainda que eu falasse
A língua dos homens
E falasse a língua dos anjos,
Sem amor eu nada seria.”
(Legião Urbana)

http://letras.terra.com.br/legiao-urbana/22490/

Os alunos admiram os professores que conhecem o que ensinam. Gostam daqueles que transitam com facilidade da teoria para a prática e vice-versa. Admiram os que dominam a teoria, porque a praticam no seu dia-a-dia. E respeitam os que exercem a prática com eficiência, por possuir uma consistente base teórica. Mas os alunos gostam também daqueles professores que têm boa didática e que lhes prendem a atenção. Costumam se referir a esses professores como aqueles que “sabem passar a matéria”. Ou seja, um bom professor é aquele consegue equilibrar o domínio da matéria com a capacidade didática.

Todavia, dominar o conteúdo e saber “passá-lo” com eficiência não bastam. No centro da aprendizagem, está a afetividade. Ainda que os professores soubessem a matéria a fundo e falassem a língua dos eruditos, sem os vínculos afetivos com os alunos, de nada seriam. Quando esse vínculo não ocorre, o processo cognitivo não se estabelece.

O desafio que está posto, assim, é criar laços de afetividade com os alunos de forma a motivá-los aos estudos. Só quando isso se estabelece é que há espaço para o desenvolvimento das competências a partir dos conteúdos das disciplinas. Não se trata de ser complacente com os alunos. Não se trata de afrouxar o rigor e a disciplina que são tão necessários. Os alunos sabem reconhecer os professores que são justos, ainda que rigorosos. Trata-se de compreender que na base da aprendizagem está a forma como se dá o relacionamento entre o aluno e o professor:

É só o amor
Que conhece o que é verdade.
O amor é bom, não quer o mal,
Não sente inveja ou se envaidece.

5 respostas para “Ainda que eu falasse a língua dos homens…”

  1. ” o perfeito amor é o vínculo da perfeição. É a credencial de um cristão. Aquele que ama esta sempre estendendo a sua mão. Ajudando e sempre perdoando. Amar é a mais linda oração “.

  2. O sentimento mais nobre é realmente o amor, fraternal, umbilical, apaixonante, desafiador, firme, pretencioso, maravilhoso, imortal e quieto… não importa que adjetivo ou adverbio se uma a ele, mas sem ele nada acontece… tudo desvanece e morre

  3. Como é dificil traduzir esse sentimento em palavras. O que é a omor? É melhor senti-lo. Já tive varias definiçoes sobre o amor durante minha trajetoria de vida. Mas o que vivo hoje esta sendo a mais especial. Amor com alegria e com a graça do Espirito Santo pode superar toda a dor do mundo. Jesus foi perfeito, é perfeito e continuara sendo. Encontre no amor ao próximo a sua salvaçao.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *