O inglês que perdeu a cabeça

Há uma polêmica entre os historiadores sobre quem foi o primeiro rei da Inglaterra, mas com certeza foi antes do Século XI, ou seja, já faz mais de mil anos. De lá para cá, a monarquia britânica segue como uma das mais longas instituições do mundo. Poucos sabem, porém, que houve uma pequena interrupção de 11 anos, entre 1649 e 1660. Nesse período, após uma guerra civil que culminou com o julgamento e execução do Rei Carlos I, acusado de traição pelo Parlamento, a Inglaterra foi uma república.

O líder dessa efêmera república foi Oliver Cromwell, que recebeu o título de “Lorde Protetor”, mas que morreu doente em 1658. Seu filho Richard Cromwell tentou dar continuidade à república, mas a monarquia acabou sendo restaurada em 1660, com a coroação de Carlos II, filho do monarca executado 11 anos antes.

Oliver Cromwell (1599-1658)

A restauração da monarquia não se deu, todavia, sem uma vigorosa dose de vingança. Quase todos os juízes ainda vivos que condenaram o monarca em 1649 foram perseguidos, presos, enforcados e esquartejados. E os que já tinham morrido, tiveram seus corpos exumados e enforcados.

Corpo de Cromwell exumado e enforcado (1661)

O corpo do líder Cromwell teve tratamento especial. Após ter ficado pendurado para exibição pública, teve sua cabeça decepada e fincada num mastro de mais de seis metros de altura em frente à Abadia de Westminster, onde anos antes fora sepultado com as pompas de um rei. E lá ficou fincada, exposta por mais de 20 anos, como um aviso inequívoco aos inimigos da monarquia.

Em 1685 começa uma insólita história com algumas sinistras coincidências. Nesse ano, morre o Rei Carlos II e, logo em seguida, uma forte tempestade se abate sobre Londres causando a quebra do mastro em que se encontrava a caveira de Cromwell. Diz-se que ela teria sido recolhida por um sentinela do local, que a manteve escondida por muitos anos, até que ela reaparece em 1710, em um museu de curiosidades de um colecionador suíço chamado Claudius Du Puy.

Anúncio da exposição da cabeça de Cromwell (1710)

Com a morte Du Puy, a cabeça foi sucessivamente vendida, passando na mão de aventureiros, colecionadores, entre outros, tal como Samuel Russel, James Cox e os irmãos Hughes. Em 1815, a cabeça foi vendida para Josiah Henry Wilkinson, em cuja família permaneceu durante 150 anos.

Finalmente, em 25 de março de 1960, a família Wilsinson optou por sepultar a cabeça de Cromwell, no Sideny Sussex College, em Cambridge, onde se encontra repousando no momento.

Cabeça de Cromwell, com os herdeiros Wilkinson, nos anos 50

Alguns consideram Cromwell como vilão, outros como herói. Mas o fato é que a revolução por ele liderada é um marco do fim da monarquia absolutista, mais de 100 anos antes da Revolução Francesa. Ainda que date de 1215 a chamada “Magna Carta”, que impõe limites ao poder do Rei, é o julgamento e execução do Rei Carlos I que efetivamente simboliza um novo conceito, em que o Rei não é um senhor divino todo-poderoso e que deve prestar contas a um Parlamento. A monarquia restaurada com Carlos II já não é mais absolutista, tem no Parlamento um centro expressivo de poder e seu modelo e é a base das modernas monarquias parlamentares que existem até hoje.

Ao menos para o Parlamento Inglês, Cromwell é um herói. Em frente à sua sede, em Westminster, encontra-se uma imponente estátua de Cromwell, simbolizando que essa Casa deve ser respeitada.

7 respostas para “O inglês que perdeu a cabeça”

  1. eu estou estudando na materia historia sobre a inglaterra em geral.
    Nesta semana estou falando sobre oliver cromwell,e gostei muito da historia de vida dele,como ele morreu,o porque da morte dele… enfim esse assunto me interessou

    1. Legal, ficou feliz que tenha sido útil. A históra de Oliver Cromwell é mesmo incrível, poucos sabem a respeito. Em Londres, o museu mais famoso é o British Museum, mas a memória desse episódio está no London Museum, imperdível.

  2. Caro Maurício
    Existem gostos para tudo. Eu conheço uma pessoa que coleciona garrafas, outras xícaras, mas cabeças!!! Algumas tribos selvagens também tinham este hábito(encolhedores de cabeça), mas eram selvagens. Se formos usar a lógica este indivíduo que ficou com a cabeça poderia ser considerado um silvícola?
    Caro amigo precisamos nos encontrar
    Abraços
    Kolber

  3. Cheguei ao blog pela história da Miss Sarajevo. Achei excelente. Parabéns pela iniciativa. Abraço.

  4. olá,gostaria de saber ”quem” eram esses principais historiadores e quais eram a favor ou contra,quais o qualificavam como herói ou vilão?.(Já realizei uma longa pesquisa,entretanto,sem respostas satisfatórias,se você pudesse me responder,seria grata,obrigada.)

  5. O rei Carlos I foi assassinado porque os Judeus já estavam querendo derrubar a
    monarquia e implantar a República.Oliver Cromwell foi protetor dos judeus na
    Inglaterra.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *